quinta-feira, 19 de junho de 2008

Human suit


aqui tudo continua.

o vácuo afunda-se dentro.
o corpo ressalva-se.
meu irmão, aqui vive-se sem palavras.

os pulsos em riste mas as mãos ocupadas
em armas, crimes, em nós.

se fechares os olhos e respirares fundo
podes sentir o céu a quebrar.

aqui, tudo morre.
e nós, irmão, renascemos.
o corpo envelhece e parte-se em mãos.

vamos confessar,
estes dias todos têm sido ensaios
para um quadro que ficará em branco.

diz-me, irmão, que os amigos existem
e que sabem que as vidas escasseiam

agora.



Maria Rocha, 2005

3 comentários:

Vanessa Lourenço disse...

"Quero viver, não quero ser mais deste...mar"...é o que me passa agora em fundo, mandada por ti, recordada por ambas. Há uma necessidade de rebuscar passados felizes e picos únicos, mas digo-te, amiga, aguento-me de pulso em riste colado ao teu. Um beijo minha querida menina de cabelos cobre.***

Thiago disse...

Temos que viver cada dia com força. Embora muitas vezes use-mos mascaras felizes carrega-mos o nosso peso, do conhecimento e do que passa-mos.

Ergue-te Maria, percorre esse mundo com os pés descalsos para criares um novo caminho para ti.


*******

j... disse...

aqui bebe-se :\