sexta-feira, 20 de junho de 2008

Reflexo


Desde há momentos que sinto a cidade a respirar nas minhas batidas cardíacas. Há um pedido de ajuda em uníssono, em sintonia que me rouba o chão nos milésimos de segundo em que não tenho a certeza se o meu peito voltará a dar sinal de si. Espero que grite, espero que sangre, espero e por esperar tenho o tempo dentro do punho. Ninguém sabe ler as chamas que me habitam os olhos de tempos a tempos.
Já não as estranho, a carne habituou-se a consumir-se de todas as formas (im)possíveis.
É assim que me compreendo. Que me julgo. Que me acarinho. Tudo isto depois de me afogar na mais cruel realidade. É em confissão. Sempre. E de todas as vezes que me encontro estou cada vez mais perdida no meio desta cidade, que é minha, sempre foi. É por estar tão perdida que já fiz nascer o meu lugar.
É uma mensagem sem palavras.



Maria Rocha, 2008

4 comentários:

Bordello disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bordello disse...

uau... de cada vez que leio os teus textos sinto que valeu a pena.

Thiago disse...

Anda-mos todos perdidos.

Por isso cria-mos os nossos mundos, um refugio para quando se quer paz e isolação total.

Cumps ******

anya disse...

Concordo com o Bordello... Acho que vale sempre a pena. Gosto muito da forma que dás às tuas palavras, tocam-me sempre **